Verificamos que nossa vida atual esta regida pela lei da luta, em que o mais forte vence e domina. Isto significa que a todo momento estamos sujeitos a receber ataques. Daí a necessidade duma defesa. Que nos diz a Lei a esse respeito? Como resolve ela o problema? Quais são nossos direitos e deveres? Qual a conduta que nos conduz a resultados melhores? Qual deve ser nossa reação ao ataque? Qual o método mais sábio e vantajoso para resolver o caso?  Este é um dos pontos onde mais ressalta a oposição entre o sistema do Evangelho e o do mundo. O primeiro sustenta a regra da não-resistência, o segundo o uso da reação violenta. Já vimos, trata-se de leis pertencentes a dois níveis evolutivos diferentes, leis verdadeiras, cada uma no seu respectivo plano de vida, ao qual estão adaptadas.Não pode surgir um ataque contra nós se não o tivermos merecido. O homem que o executa, seja quem for, é só uma causa secundária. Não há dúvida, o ataque que nos golpeia é movimentado por um ser, chamado, por isso, nosso inimigo. Mas, ele é só a causa próxima e é contra esta que, em nossa miopia, começamos a lutar. Apesar das armas para a defesa estarem sempre em ação, os ataques voltam a surgir continuamente de todos os lados, ficando o problema sem solução. E o que sempre continua permanecendo de pé é a luta continua de todos contra todos.  Para que o problema seja resolvido, eliminando em definitivo os efeitos, logicamente é necessário que seja removida sua causa primeira, de que tudo deriva.

Num sistema centro-periférico qual o do nosso universo, não pode haver caminho que não leve para Deus. Só n‘Ele se pode encontrar a causa primeira de tudo. Mas, como pode Deus ser a causa dos golpes que recebemos? Não há dúvida, eles saem das mãos dos nossos inimigos. Mas, se existe uma Lei geral de ordem, quem os deixou movimentar-se contra nós e porque de uma determinada forma e não de outra?  Quaisquer que sejam nossos poderes humanos, ninguém poderá paralisar o funcionamento da Lei no seu ponto fundamental - a justiça de Deus. Conforme essa justiça, ninguém poderá chegar até nós se não tivermos, com nossos erros, deixado as portas abertas. Ficaremos a mercê de todos os atacantes, quaisquer que eles sejam, se tivermos merecido a reação da Lei, que os fez seus instrumentos. Cada um procura destruir seus inimigos, mas não a causa que gera inimigos; procura afastar os golpes mas não a causa que os produz. Quando o problema está enquadrado nesses termos, parece claro que a defesa que o mundo pratica, limitada só contra o ofensor, não somente é inútil, mas representa um novo erro que se junta ao velho, aumentando-o. O remédio, então, é só um: não merecer, isto é, tomar cuidado em preparar o nosso futuro, não errando em ir contra a Lei e não merecendo, assim, sua reação. Poderemos destruir com a força todos os nossos inimigos. Outros surgirão para nos perseguir, enquanto não tivermos pago tudo. Tudo depende de nós mesmos e nada dos outros. O inimigo que nos agride somos nós mesmos, que com erro provocamos a reação da Lei que, por sua vez, movimenta os elementos apropriados para executar essa reação. Isto não quer dizer que a justiça de Deus, sozinha, por si própria, quer movimentar o ataque contra nós. A divina justiça representa apenas a norma que regulamenta e o poder que impõe o desencadeamento do ataque conforme a Lei, quando o tivermos merecido.

Por isso, nosso inimigo, contra o qual apontamos nossas armas, não tem poder algum contra nós, além daquele que nós mesmos lhe conferimos com nossas obras contra a Lei de Deus. Se nós destruirmos com a força esse inimigo, crescerá a nossa dívida perante a justiça da Lei e com isso concederemos, a um número maior de inimigos, poderes maiores contra nós. Que se ganha então usando o método do mundo? Aparece aqui a necessidade lógica de praticar o método da não-resistência, porque ele é o único que representa um verdadeiro sistema de defesa. Paralisar o inimigo não paralisa o ataque, mas piora nossa posição, porque o verdadeiro inimigo não é aquele que vemos.

Quem compreendeu como funciona o jogo da vida, quando receber uma ofensa, não reage contra seu ofensor, porque sabe não ter ele valor algum, a não ser o de representar um instrumento cego nas mãos de Deus. Por isso, não merece nem ódio, nem vingança.

Do livro " A Lei de Deus"  - cap. 20



  • pesquise na obra
  • avancemos
  • palestras e estudos
  • livro a lei de Deus
  • congressos
  • livraria